Quando o passageiro é o culpado

Portal do Trânsito

Barulho, desordem, brigas, passageiros que passam mal, crianças pequenas desacompanhadas e excesso de lotação. Estas são algumas situações que podem afetar diretamente o motorista do veículo, comprometendo a capacidade de concentração no trânsito.

A capacidade intelectual do ser humano atualmente está classificada em oito inteligências: a da comunicação, a do raciocínio lógico, a da noção de espaço, a da coordenação motora, a do autoconhecimento e compreensão, a de se relacionar, a de se situar no meio ambiente e a da distinção e interpretação dos sons. “Para cada tarefa que realizamos utilizamos várias destas inteligências. A habilidade de dirigir exige a utilização de todas elas”, explica Elaine Sizilo, especialista em trânsito e consultora do Portal.

Por isso, ela recomenda que “antes de começar o percurso, o motorista deve evitar condições adversas como estas, nunca transportar mais pessoas do que o veículo comporta, não permitir que as pessoas desviem a sua atenção e colocar as crianças corretamente no banco de trás, com cinto de segurança e dispositivo de retenção adequado para cada idade”. Ainda segundo a especialista, qualquer uma destas alterações pode afetar o estado psicológico e emocional do motorista e afetar a capacidade de dirigir com segurança.

Na moto

Na moto, pilotar carregando passageiros exige muito mais responsabilidade. “O transporte de crianças menores de sete anos em motos é proibido por lei”, afirma Sizilo.

Para levar passageiros, a moto deve ser equipada com assento apropriado, pedaleira para o passageiro, equipamentos de proteção-como os do piloto-, pressão extra nos pneus e nova regulagem do farol e dos espelhos.

O passageiro da moto deve receber sempre as seguintes instruções. “O passageiro deve subir depois do piloto, não deve tirar os pés das pedaleiras nas paradas, segurar o piloto na cintura ou quadril, manter as pernas longe do escapamento, acompanhar a inclinação e os movimentos do corpo do piloto, evitar movimentos desnecessário e segurar mais firmemente nas arrancadas e freadas”, conclui Sizilo.