Paulo Alves - o primeiro prefeito

Nomeado pelo governador do estado do Rio de Janeiro, Nilo Peçanha, o engenheiro e empresário Paulo Ferreira Alves, foi o primeiro prefeito de Niterói logo após a cidade ter retomado a condição de capital do estado. Niteroiense, Paulo Alves nasceu em 27 de novembro de 1850, vindo a falecer na cidade do Rio de Janeiro, em 16 de junho de 1908. Primeiro prefeito a falar em proteção ao meio ambiente e exploração do potencial turístico de áreas como a Região Oceânica, Paulo Alves teve um mandato de apenas 11 meses – de 5 de janeiro de 1904 a 18 de outubro de 1904 -, apesar de cheio de realizações.

Cenário Histórico – Em 1893, eclodiu a revolta da armada que, além de destruir vários prédios na zona urbana e bairros litorâneos de Niterói, desorganizou a atividades produtivas da cidade e fez com que a capital do estado fosse transferida para Petrópolis. Esta condição permaneceu por quase 10 anos. A cidade já havia sofrido fragmentação de seu território em 1890, dada a separação das freguesias de São Gonçalo, Nossa Senhora da Conceição de Cordeiro e São Sebastião de Itaipu, que passaram a constituir o município de São Gonçalo. Com isso a área de Niterói foi reduzida de 245,42km² para 84km². Itaipu voltaria a ser território niteroiense na década de 1940.

O retorno de Niterói à condição de Capital do Estado do Rio de Janeiro em 1903, marcou um período de grandes intervenções urbanas, criando uma infra-estrutura condizente com sua condição perante o Estado Fluminense. O precursor dessa série de renovações urbanas foi Paulo Alves, idealizador, entre outras,  de uma imponente avenida na Praia de Icaraí, até então “fundo de quintal das apalacetadas chácaras da Rua Moreira César”, indo até São Francisco, e daí alcançando as Praias Oceânicas, pelo prolongamento da Estrada da Cachoeira. Em sua gestão, a cidade começou organizar sua expansão.

Durante a sua gestão, foi revisada a planta da rede de esgotos da cidade, foram alargadas, retificadas e calçadas as ruas do Centro e atingiu-se o término do projeto de abertura e urbanização da Alameda São Boaventura, no bairro do Fonseca.

No âmbito da saúde pública, criou o Serviço de Higiene Defensiva e a Polícia Sanitária, incorporou ao município os Hospitais de Isolamento do Barreto (atual Ari Parreiras) e São João Batista, e instituiu o Centro de Serviços Municipais, abrangendo o Corpo de Bombeiros, o Departamento de Limpeza Urbana e Serviço de Arborização e Apreensão de Animais.

A sua gestão teve igualmente uma preocupação com o patrimônio cultural do município, sendo que foi reconstruído o Teatro Municipal, restaurada a Praça General Gomes Carneiro (Rink) e o Monumento à Memoria e recuperada a Companhia Cantareira do Parque da Vicência, no Fonseca. Foram também elaborados estudos para a construção do Matadouro, do Mercado Municipal, do Campo de São Bento e de várias vilas operárias que deveriam substituir os cortiços espalhados na cidade.

Em 27 de abril de 1904 a Câmara dos Vereadores de Niterói promulga deliberação substituindo o nome da Rua Áurea, no bairro do Ingá, para Rua Doutor Paulo Alves.

(Fontes: João Luis Ribeiro Fragoso, Afonso de Alencastro Graça Filho, Emmanuel de Macedo Soares e Carlos Wehrs)

 

Documentos Históricos

 

Mensagem que o recém nomeado prefeito Paulo Alves enviou à Câmara Municipal de Niterói em 24 de Março de 1904. Arquivo PDF (1,5MB). Arquivo microfilmado do original da Bibioteca Estadual de Niterói.

Balanço da gestão de Paulo Alves enviado quando da passagem do cargo a seus substituto nomeado Benedito Gonçalves Pereira Nunes. Arquivo PDF (1,4MB). Arquivo microfilmado do original da Bibioteca Nacional.