Como começar?

Vou tentar dar asas à minha veia de escritor, o que sempre quis fazer a partir do que observo diariamente nas ruas e nos lugares que visito. Já fiz isso de forma incipiente, em folhas de cadernos e em máquinas de escrever, numa época em que não havia o Word para corrigir os erros sem eu ter que datilografar tudo novamente. Percebeu? Eu falei em datilografar, não em digitar.

Vivi muito numa época em que não havia o microcomputador. Ele até existia, em algum lugar, mas não era popular como hoje, nem tão acessível. A internet só apareceu tempos depois e com aquele ruído típico do modem, que levava um século para conectar, quando se conseguia, e era muuuiiitooo lento para navegar. Mas era o máximo.

Hoje não me vejo sem o computador, nem sem a internet. O que causa problemas nos relacionamentos, pois quem não tem essa facilidade com a tecnologia não entende que aqui estão nossos livros, nossa TV, nossos jornais, nosso time de coração, nossos amigos e família. Tenho que ter meu tempo com o computador e com a internet, e esse tempo não tem hora marcada, não é em um determinado período do dia, ou da noite. É a qualquer momento. Mas evito passar o dia diante dessa máquina e desse mundo virtual. Mas... vicia.

Comecei! Não foi tão difícil.

Inté!