Após aumento na violência, Beltrame anuncia ocupação da PM em favelas de Niterói

Hanrrikson de Andrade
Do UOL, no Rio


O secretário de Estado de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou nesta terça-feira (19) que a Polícia Militar vai ocupar, até o fim deste ano, duas favelas da cidade de Niterói, na região metropolitana, com o objetivo de instalar uma Companhia Destacada de Policiamento Ostensivo -- que segue modelo semelhante ao das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). As comunidades são as do Estado e do Palácio, na região central, consideradas as mais perigosas do município.

Segundo Beltrame, a principal diferença entre UPPs e companhias destacadas está no fato de que a primeira é vinculada à uma administração específica, a CPP (Coordenadoria de Polícia Pacificadora), enquanto o outro modelo é executado pelo batalhão da região -- em Niterói, o 12º BPM.

Nas favelas do Estado e do Palácio, a Polícia Militar já atua com um efetivo de 110 policiais -- este número, porém, não foi considerado suficiente para garantir o controle territorial e a redução dos índices de criminalidade, de acordo com um estudo feito pelo Estado-Maior Operacional.

Dessa forma, no dia 10 dezembro, a PM realizará uma grande operação para ocupar as duas comunidades em definitivo, reforçando o contingente posteriormente com mais 60 homens, isto é, o efetivo total chegará a 170 policiais até o fim do ano.

Em janeiro e março 2014, também serão instaladas companhias destacadas no bairro do Fonseca, na zona norte, e na região de Pendotiba, respectivamente. Cada uma contará com efetivo de 60 policiais.

"Chegou a vez de apresentarmos para Niterói um plano muito simples de ocupação de alguns lugares. (...) Teremos aqui uma ocupação nos morros do Estado e do Palácio, posteriormente em Pendotiba e, por último, Fonseca. Talvez não seja uma situação que Niterói, assim como qualquer outra cidade, mereça", afirmou Beltrame. "Mas é algo que efetivamente se pode fazer. É algo que se tem os efetivos, é algo que se tem como fiscalizar e perenizar."

O chefe do Estado-Maior Operacional da Polícia Militar, coronel Paulo Henrique Azevedo de Moraes, afirmou também que 80 recrutas -- cuja formatura está prevista para dezembro -- ajudarão a patrulhar o centro da cidade já no próximo mês. "Vamos chegar a março do ano que vem com 260 homens a mais nas ruas de Niterói", disse ele.

O pacote de medidas anunciado nesta terça-feira foi articulado em razão do aumento expressivo dos índices de criminalidade no município, tema que vem sendo discutido na região desde o início deste ano.

"A gente teve um primeiro semestre ruim do ponto de vista dos indicadores de índices de criminalidade. No início do segundo semestre, esses índices começaram a diminuir, mas ainda não estão bons", afirmou o prefeito Rodrigo Neves (PT).

Violência em Niterói

Levantamento do ISP (Instituto de Segurança Pública) divulgado no final de outubro aponta que o número de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) no Estado do Rio teve aumento 38% em agosto, em comparação ao mesmo mês do ano passado. Foram registrados 406 casos em 2013 ante 294 em 2012.

A região onde o número de homicídios mais aumentou no comparativo entre agosto dos dois anos, no entanto, foi a de Niterói e cidades do entorno: uma variação de 186,7%, passando de 15 em agosto de 2012 para 43 no mesmo período em 2013.

A Polícia Militar informou em nota que o aumento no número de ocorrências criminais no Estado ocorreu "em áreas onde PMs foram deslocados para atuar em manifestações que terminaram em violência". "O patrulhamento ostensivo acabou sendo prejudicado", diz o texto.

Reestruturação da Divisão de Homicídios

O secretário de Estado de Segurança Pública anunciou ainda a reestruturação e ampliação da Divisão de Homicídios de Niterói e de São Gonçalo, que ganhará nova sede e terá reforço de contingente já a partir do próximo mês. Serão 150 policiais civis a mais trabalhando na DH, além de dez novos delegados.

De acordo com a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, o objetivo é fazer com que a distrital especializada tenha a mesma estrutura e condições de trabalho em comparação com a DH da capital fluminense, o que facilitará o trabalho das demais delegacias responsáveis pelas regiões de Niterói, São Gonçalo e municípios vizinhos.

"Vai desonerar essas delegacias de apurar homicídios. Essas delegacias poderão partir para outros tipos de investigação. Essas delegacias também terão, dessa forma, seus efetivos recompostos", disse Beltrame.


Manifeste sua opinião sobre essa matéria

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário